Geossítios
GEO

Dobras variscas na Serra da Freita

justificação do valor científico

Os afloramentos estão inseridos na área do Geoparque Arouca (Sá et al., 2008) e considerados de interesse geológico por estes e outros autores (Medina et al., 2005, Valle Aguado et al., 2006). Ao longo dum curto percurso a pé são observados vários tipos de estruturas nos metassedimentos do Complexo Xisto-Grauváquico que testemunham o carácter polifísico da deformação varisca. A presença de litologias diferenciadas no seio dos micaxistos torna muito evidentes as numerosas dobras que, a várias escalas, ocorrem neste local. Os afloramentos são apresentam muito boa exposição. Num dos afloramentos observam-se dobras redobradas, descrevendo um padrão de interferência designado pelos estruturalistas de “tipo-3” (Fig. 1). A última geração de dobras é atribuí­da à  3ª fase de deformação varisca (Valle Aguado, 1992).

Outros valores e sua justificação

Elevado valor educativo sobretudo para nivel universitário. No entanto, a beleza dos afloramentos provoca a admiração e curiosidade do público em geral, como provam as reacções manifestadas pelos participantes nas acções de Geologia no Verão (programa Ciência Viva) que se realizam a este local.

Observações

Perto da povoação de Castanheira, Freguesia Albergaria da Serra, Serra da Freita. EN 621, cerca de 300 m a sudeste do cruzamento com a EN 612.

Este geossí­tio integra o Geoparque Arouca.